2019.03.15e16 - SEPTICFLESH + KRISIUN + DIABOLICAL - XAON - Hard Club (Porto) - Lisboa ao Vivo (Lisboa)

Críticas & Comentários a Concertos & Eventos!
Avatar do Utilizador
Enigma
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 4675
Registado: quarta set 26, 2007 3:48 pm

2019.03.15e16 - SEPTICFLESH + KRISIUN + DIABOLICAL - XAON - Hard Club (Porto) - Lisboa ao Vivo (Lisboa)

Mensagempor Enigma » segunda mar 18, 2019 6:57 pm

Tópico aberto para as datas de Lisboa e Porto.

Rescaldo de Lisboa:

Xaon - primeira banda da noite que, quando iniciou a sua atuação, contava ainda com pouca gente no recinto (razão que se explica não só pelo início relativamente cedo - 19:15 - como também por as portas só terem aberto quinze minutos). Contaram com um som mau, o que não ajudou nada, muito menos para quem não conhecia a banda (penso que a grande maioria das pessoas). Fizeram por puxar pelo público, especialmente o vocalista, já que não havia muito espaço no palco para circular, devido à bateria de Septicflesh já estar montada no palco, roubando bastante espaço. Musicalmente, enquadram-se no chamado metal moderno, com passagens mais pesadas e guturais e outras mais melódicas com algumas vozes limpas pelo meio. Cumpriram a sua missão, embora não me tenham deixado saudades.

Diabolical - banda que já conhecia, embora só de nome, muito devido ao trabalho de promoção aqui no MU do Nekronos. :mrgreen: O som esteve melhor que em Xaon, mas ainda longe do desejável. Pela sonoridade que tocam, tinha alguma expetativa de os ver. No entanto, não me impressionaram por aí além. Não achei os temas nada memoráveis ou que marcassem a diferença para o que se faz nesta sonoridade. Mostraram-se competentes mas, repito, para a expetativa que tinha, ficaram um pouco aquém.

Krisiun - aqui sim, as coisas começaram verdadeiramente a aquecer. Desde logo, o som esteve bastante melhor o que, por si só, ajudou bastante. Depois, estamos a falar já de uma banda bastante experiente e competente, com provas dadas, o que fez (e faz) toda a diferença. Deram um muito bom concerto, abrindo o circle pit (e crowdsurfing também) - que não mais parou - e incendiando os ânimos da sala (até aí, algo mornos). Nem sequer faltou uma cover de Motorhead (Ace of Spades) que foi o corolário da sua atuação. Ah, e nem faltou a referência do vocalista de falarem "a língua dos Camões". :mrgreen: Dedicaram ainda um tema aos Moonspell (o Fernando, o Mike e o Pedro Paixão estavam presentes).

Septicflesh - já fazia bastante tempo que não os via (desde o concerto com Moonspell no Coliseu, se não me falha a memória), por isso, mesmo sendo uma banda que não oiço muito atualmente, decidi revê-los (até porque o Communion e o The Great Mass são considerados por aqui grandes álbuns). Grande cenário montado, antecipando um concerto com uma boa componente cénica e teatral (desta vez o Seth não disse motherfuckers a cada final ou início de música, como no Coliseu, o que se agradece...), o que se verificou por completo. A banda atingiu um patamar de notoriedade e reconhecimento que se nota claramente em palco, tanto para o melhor (profissionalismo, atenção aos detalhes), como para o pior (alguma falta de espontaneidade, embora essa nunca tenha sido propriamente a melhor característica da banda). Como já é habitual, as despesas da interação com o público ficaram a cargo do Seth, enquanto os restantes elementos não primaram pelo contacto com o público (excetuando o Krimh, sempre muito simpático mas que, obviamente, não tem essa possibilidade). A setlist foi a que têm tocado nesta tour, destacando-se alguns temas que, embora não sejam propriamente antigos, já são autênticos clássicos da banda, como Pyramid God, Prototype e a sequência demolidora de Communion, The Vampire from Nazareth e Prometheus. Pela reação do público, foram estes os temas que toda a gente mais esperava, fazendo voltar o circle pit e o crowdsurfing em força. O Seth fez também a dedicatória de um tema aos Moonspell e a todos os presentes que encheram o Lisboa ao Vivo. Destaco também a excelente Persepolis e, já no encore, a fantástica Anubis. Para último tema, ficou um do último álbum - Dark Art - que encerrou este excelente concerto. :metal:

Mais uma excelente noite promovida pela Notredame que, paulatinamente, tem vindo a ocupar (e muito bem) o lugar que era da Prime para este tipo de concertos de média dimensão, para os quais o RCA é demasiado pequeno. :cheers:
Valfar, ein Windir

Avatar do Utilizador
schwarze_engel
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 1709
Registado: segunda nov 08, 2010 9:33 am
Localização: Porto

Re: 2019.03.15e16 - SEPTICFLESH + KRISIUN + DIABOLICAL - XAON - Hard Club (Porto) - Lisboa ao Vivo (Lisboa)

Mensagempor schwarze_engel » sexta mar 22, 2019 11:17 pm

Vai uma pessoa conhecer o LAV, aproveitando o pretexto de lá haver uns concertos fixes e de estar por perto nesse dia, e quem é que encontra logo na fila para entrar? Pumbas, o Enigma. :mrgreen:

Não vou acrescentar nada de mais ao que aqui o nosso camarada já disse. Ponto alto da noite para mim: Krisiun, que nunca tinha visto e já andava há um porradão de anos para ver. São foda, mermo! :beer:
E apesar do piloto automático que já dirige as prestações dos Septic Flesh, momentos como a Anubis, Pyramid God, Communion ou Persepolis fizeram o concerto valer a pena.

"1, 2, 3... Destroy!" :metal:

Gostei da sala, é como um RCA mas um niquinho maior.
É arranjadinha e não saí de lá a cheirar a cinzeiro. E tem Sagres, o que significa poupança.

E basicamente é isto.
Hear the words I sing,
War's a horrid thing.
So I sing, sing, sing...
...ding-a-ling-a-ling.

Avatar do Utilizador
Jorgetime
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 1930
Registado: quinta jul 02, 2009 4:42 pm
Localização: Amarante/Gaia

Re: 2019.03.15e16 - SEPTICFLESH + KRISIUN + DIABOLICAL - XAON - Hard Club (Porto) - Lisboa ao Vivo (Lisboa)

Mensagempor Jorgetime » domingo abr 07, 2019 2:43 pm

Fui ao do Porto e na altura saí um bocado desiludido, aliás estava a ver que ia sair a meio de SepticFlesh. Krisiun foi muito bom, o vocals parecia estar bastante rouco, mas na atuação esteve tudo no sítio.

Agora SP no início estava com um mix horrível, era só backtracks e bateria, depois a meio lá melhorou e no final lá tocaram as fan favorites. E também fecharam com a minha preferida do último álbum, Dark Art. O vocalista a mim não me faz muita confusão, até acho engraçado com o sotaque, mas para ir para o DESSTRROY tem que haver guitarras distorcidas, não é aquela antecipação toda e depois só ouvir violinos e o crl através do computador.


Voltar para “Rescaldo”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante