Teoria Musical

Conversa sobre Música (teoria, instrumentos, instrução, dúvidas técnicas) e outras Artes.
Regras do Fórum
É obrigatória a utilização dos tópicos oficiais, no caso de temas para os quais estes existem.
Em caso de dúvida, contactem a moderação antes de abrir um tópico.

Só têm permissão para colocar mensagens nesta secção utilizadores com pelo menos 10 mensagens no fórum.
Visitante

Teoria Musical

Mensagempor Visitante » sexta jul 03, 2009 3:48 pm

Esperemos que isto se transforme num tópico oficial. :mrgreen: Em principio isto servirá para o pessoal expôr dúvidas, teorias e métodos próprios, etc.

De momento a minha questão é a seguinte: Como é que consigo progressões de acordes decentes, e com uma determinada sonoridade? Diga-se que eu gostaria de fazer um solo melódico por cima da progressão, poderia utilizar a escala melódica menor, mas dependendo da progressão, como faço para descobrir a tonalidade certa a usar?

Por exemplo esta progressão:

E/Mi - A#/Lá Sustenido - F/Fá - A/Lá

Como descubro a tonalidade desta sequência? E como devo solar por cima disto? (pergunta subjectiva, mas apenas quero uma resposta minimamente pragmática de acordo com as vossas experiências).

Nos vossos casos, guiam-se pelo ouvido e pelo que soa bem, ou estabelecem algum tipo de regra para criar solos e riffs?
:jam:

Avatar do Utilizador
CrazyfoX
Metálico(a) Supremo(a)
Mensagens: 794
Registado: quinta jan 10, 2008 10:31 pm
Localização: Valeta

Re: Teoria Musical

Mensagempor CrazyfoX » domingo jul 05, 2009 12:39 am

Aproveito para expor aqui uma duvida que já me anda a atormentar há muito:

Conhecem algum método eficaz para assimilar as notas na fretboard? É que eu não consigo decorar aquilo... Apenas a primeira e última corda, de resto, não consigo... Como vocês o fizeram?

Neburis [RIP 2010/07/17]

Re: Teoria Musical

Mensagempor Neburis [RIP 2010/07/17] » domingo jul 05, 2009 8:33 am

CrazyfoX Escreveu:Aproveito para expor aqui uma duvida que já me anda a atormentar há muito:

Conhecem algum método eficaz para assimilar as notas na fretboard? É que eu não consigo decorar aquilo... Apenas a primeira e última corda, de resto, não consigo... Como vocês o fizeram?


http://www.zentao.com/guitar/theory/notes.html Lá pra baixo tens uns quantos métodos, um dos que se usa bastante é o das oitavas, se tocares uma raíz na primeira corda e quiseres uma oitava da mesma nota, basta saltares para a 3ª corda dois trastes à frente e tens a oitava (isto tirando as cordas agudas, nessas são três trastes). Também tens um método que é o de quereres saber por exemplo uma nota numa corda, e na corda de cima a essa tens a mesma nota 5 trastes atrás...De resto, é ires tentando decorar, podes fazer o exercício dessa página que já experimentei e ajuda um bocado. Escalas e licks também ajudam, tocas um lick ou uma escala e vais decifrando nota a nota...

Avatar do Utilizador
metalguy
Participante Inspirado(a)
Mensagens: 67
Registado: terça jan 27, 2009 12:51 am
Contacto:

Re: Teoria Musical

Mensagempor metalguy » domingo jul 05, 2009 8:34 pm

Neburis Escreveu:Esperemos que isto se transforme num tópico oficial. :mrgreen: Em principio isto servirá para o pessoal expôr dúvidas, teorias e métodos próprios, etc.

De momento a minha questão é a seguinte: Como é que consigo progressões de acordes decentes, e com uma determinada sonoridade? Diga-se que eu gostaria de fazer um solo melódico por cima da progressão, poderia utilizar a escala melódica menor, mas dependendo da progressão, como faço para descobrir a tonalidade certa a usar?

Por exemplo esta progressão:

E/Mi - A#/Lá Sustenido - F/Fá - A/Lá

Como descubro a tonalidade desta sequência? E como devo solar por cima disto? (pergunta subjectiva, mas apenas quero uma resposta minimamente pragmática de acordo com as vossas experiências).

Nos vossos casos, guiam-se pelo ouvido e pelo que soa bem, ou estabelecem algum tipo de regra para criar solos e riffs?
:jam:


Eu se tiver que improvisar no momento, vou pelo que soa bem e aplico escalas.

Mas o que deves fazer é ver qual é a tonalidade dessa progressão (root note) e a partir daí é que aplicas as escalas, sendo certo que para umas progressões/ acordes umas escalas funcionam melhor do que as outras... Para encontrares a tonalidade, podes precorrer uma corda em busca do som (nota) que fica bem em toda a progressão. Tem atenção que por vezes as progressões podem mudar a tonalidade, ou simplesmente terem um acorde que fica fora de tom em relação ao resto da progressão, e aí tens que adaptar as notas que tocas na escala em função da nova ou diferente tonalidade.

Procura sites de teoria musical aplicada à guitarra e de certeza que encontras lá muita coisa interessante :wink:
Where is the invisible line that we must draw to create individual thought
patterns

Avatar do Utilizador
CarlosC
Metálico(a) Compulsivo(a)
Mensagens: 313
Registado: quarta nov 19, 2008 5:56 pm
Localização: Portimão
Contacto:

Re: Teoria Musical

Mensagempor CarlosC » quarta jul 08, 2009 1:29 pm

Para saberes mesmo os nomes das notas, podes basear-te apenas nas notas básicas, tipo as da escala de Dó maior apenas, ignorando sustenidos e bemois ao inicio.

Depois estuda a escala de Dó maior que ao estudares a escala decoras os nomes das notas naturais e os seus locais. Ao mesmo tempo podes ir começando a alargar horizontes no estudo de intervalos, visto que a escala Dó maior é a escala natural da guitarra e por isso serve de ponto de referencia para o estudo de intervalos, que por sua vez se relaciona com a construção de acordes.

PS - não estejas à espera de ver resultados de um dia para o outro LOL! é uma coisa que leva tempo...

Xirukah
Turista
Mensagens: 4
Registado: quarta dez 02, 2009 5:00 pm

Re: Teoria Musical

Mensagempor Xirukah » quinta jan 28, 2010 10:33 pm

Epa se estiver numa jam

ou procuro a nota certa ao longo da fret board ou entao começo a solar a partir dos acordes que estao a ser tocados


se for por cima duma musica a primeira nota e sempre igual a do solo original e depois e so feelling


quando estou a escrever riffs , e pelo ouvido, so vou buscar o tom da teoria se ja tiver feitoo riff todo e faltar so a ultima nota , ai sim mas de resto e tudo pelo ouvido


embora isto possa ser devido ao facto de eu nao saber teoria musical nenhuma

sou auto-didata

Avatar do Utilizador
Shore
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 3427
Registado: sexta ago 13, 2004 6:25 pm
Localização: Braga
Contacto:

Re: Teoria Musical

Mensagempor Shore » sexta jan 29, 2010 10:30 am

Xirukah Escreveu:
sou auto-didata


Autodidacta ou Autodidata
Imagem

Despise The Sun
Participante Compulsivo(a)
Mensagens: 110
Registado: domingo nov 05, 2006 6:21 pm
Localização: Braga

Re: Teoria Musical

Mensagempor Despise The Sun » quarta fev 03, 2010 12:21 am

Neburis Escreveu:Esperemos que isto se transforme num tópico oficial. :mrgreen: Em principio isto servirá para o pessoal expôr dúvidas, teorias e métodos próprios, etc.

De momento a minha questão é a seguinte: Como é que consigo progressões de acordes decentes, e com uma determinada sonoridade? Diga-se que eu gostaria de fazer um solo melódico por cima da progressão, poderia utilizar a escala melódica menor, mas dependendo da progressão, como faço para descobrir a tonalidade certa a usar?

Por exemplo esta progressão:

E/Mi - A#/Lá Sustenido - F/Fá - A/Lá

Como descubro a tonalidade desta sequência? E como devo solar por cima disto? (pergunta subjectiva, mas apenas quero uma resposta minimamente pragmática de acordo com as vossas experiências).

Nos vossos casos, guiam-se pelo ouvido e pelo que soa bem, ou estabelecem algum tipo de regra para criar solos e riffs?
:jam:


Quando se define uma progressão de acordes, costuma-se indicar o tipo de acorde e a sua nota tónica.

Por exemplo: Emaj7-A#sus4-Fmin7-A7 (os acordes foram escolhidos à sorte)

Também pode ser expresso através da número romanos, como por exemplo: I-vii-IV-iii-V-I, que os números em maiúscula correspondem a acordes maiores e os números em minúscula correspondem a acordes menores. Mas aqui já implicaria o conhecimento da tonalidade em questão.

Supondo que a tua progressão possui apenas powerchords, ou acordes de quinta, podemos representa-los da seguinte maneira:

Eadd5-A#add5-Fadd5-A7 (a única coisa que o add5 está a dizer que além da nota tónica, também vai ser tocada a sua quinta).

Infelizmente não sei muito bem como é que se discerne a tonalidade nessa progressão. Mas se quiseres solar por cima dessa progressão, podes tentar seguir as seguinte dicas:

- Tenta evitar tocar notas que não estejam incluídas no conjunto de notas tocadas pela secção harmónica;
- Começa por solar em cada acorde com a sua respectiva nota tónica 90% das vezes, nos outros 10% começa com outras notas;
- Faz com que pareça que estejas a tocar música, e não apenas escalas. Para isso, tenta usar saltos de intervalos maiores que a terceira,
usa um intervalo de segunda e de seguida um intervalo de quarto, etc.
- Usa motivos e vai modificando-os ao longo do Solo.
- E agora uma qualidade que nenhum ou quase nenhum solo de Metal possui, que é criar espaços durante os solos. É tanto importante ou mais até saber quando não tocar do que saber quando tocar.
Última edição por Despise The Sun em quarta fev 03, 2010 5:02 am, editado 1 vez no total.

Avatar do Utilizador
CarlosC
Metálico(a) Compulsivo(a)
Mensagens: 313
Registado: quarta nov 19, 2008 5:56 pm
Localização: Portimão
Contacto:

Re: Teoria Musical

Mensagempor CarlosC » quarta fev 03, 2010 3:03 am

Eix man respondi a qualquer coisa neste tópico há anos e nem vi a progressão. Olha isso é facilimo basta saberes formar a escala maior. Sabes escalas maiores? a sua relação de intervalos/tons? sabendo isso visualizas logo tudo.

a razão pela qual ninguém compreendeu o que escreves-te é porque não respeitas-te um principio musical que é evitar repetir a mesma nomenclatura de nota para notas diferentes. Chamaste A# a um Bb. Neste caso o A é sempre a 3a nota, a contar de F, a dizeres o fá sol lá si... etc e quando tens uma nota aseguir ao A, será uma nota no 4o grau, porque na tua escala o 3o grau já está ocupado (no total da progressão). E claro o B será sempre a 4a nota a contar de F. Agora a partir daí aplicas a relação de intervalos para criar escalas maiores.

E = 7a
Bb = 4a perfeita
F= Tonica
A = 3a

T-2-3-4-5-6-7-T
F G A Bb C D E F

isto porque a relação de tons para criar os intervalos da escala maior é:
T (tom) II (tom) III (meitom) IV (tom) V (tom) VI (tom) VII (meitom) T
T-2-3-4-5-6-7-T

se a escala fosse menor essa mesma relação seria:
T (tom) II (meitom) bIII (tom) IV (tom) V (meitom) bVI (tom) bVII (tom) T
T-2-b3-4-5-b6-b7-T

[a palavra tom surge a indicar o que o ponto de partida dista do intervalo seguinte
tem em conta que para andares 1tom deslocas-te 2trastos e para meio tom 1trasto]

espero ter sido útil e boa sorte ^^

PS - man quanto a evitares sair de tónicas e evitar notas que não estão na harmonia e blablabla... isso só pode acontecer por falta de estudo! LOLOL! pois podes tocar à vontade, à la gardê! qualquer coisa. sê musical! não 1 robot! Parece brincadeira mas é bem verdade: É possível ser extremamente musical a tocar as 12 'notas' naturais + acidentes(bemois e sustenidos) se souberes teoria suficiente para fazer sentido musical e soares bem e expressivo, quem não acreditar bem pode ir ouvir Chopin ou John Coltrane. Concordo que no metal usa-se pouco pausas que são importantes bem como outras coisas... mas primeiro expõe a tua ideia musical. Não te limites a 'racionalizar' notas pois isso não te dá expressão.

Evitar padrões é outra anedota, todos os licks de solos são licks porque definem 1 padrão, depois esse padrão é trabalhado através de ferramentas melodicas.
Um solo conhecido como a For the love of god(Steve Vai) é baseado num padrão de 5 notas na frase ascendente e 7 notas na frase descendente. A partir das melodias principais exploram-se vários campos e daí é desenvolvido 1 solo majestoso baseado numa coerência melódica de um padrão de 5notas.

Todos os solos neo-classicos que influenciaram o metal são baseados em padrões. Toda a musica clássica é baseada em padrões. Fazer musica verso-referão-verso-referão implica repetir partes = padrões.
Padrões é o que faz com que o ouvinte reconheça o que ouve e identifique uma musica.
Num solo tu não deves evitar, deves explorar padrões: quem te ouve tocar a mesma 'frase' duas vezes pensa, o que será que ele vai fazer agora com isto? onde será que isto vai parar? poderás trocar de padrão para ir elaborando outros, e vários ao mesmo tempo, mas 1melodia principal em cada parte é o padrão básico que dá coerência ao teu solo e a partir daí elaboras coisas interessantes.
Se fizeres o oposto e evitares padrões parece que estás a esgalhar aleatoriamente sem dizeres algo em concreto, sem teres coerência melódica.
Última edição por CarlosC em quarta fev 03, 2010 1:40 pm, editado 1 vez no total.

Despise The Sun
Participante Compulsivo(a)
Mensagens: 110
Registado: domingo nov 05, 2006 6:21 pm
Localização: Braga

Re: Teoria Musical

Mensagempor Despise The Sun » quarta fev 03, 2010 5:01 am

CarlosC Escreveu:PS - man quanto a evitares sair de tónicas e evitar notas que não estão na harmonia e blablabla... isso só pode acontecer por falta de estudo! LOLOL! pois podes tocar à vontade, à la gardê! qualquer coisa. sê musical! não 1 robot! Parece brincadeira mas é bem verdade: É possível ser extremamente musical a tocar as 12 'notas' naturais + acidentes(bemois e sustenidos) se souberes teoria suficiente para fazer sentido musical e soares bem e expressivo, quem não acreditar bem pode ir ouvir Chopin ou John Coltrane. Concordo que no metal usa-se pouco pausas que são importantes bem como outras coisas... mas primeiro expõe a tua ideia musical. Não te limites a 'racionalizar' notas pois isso não te dá expressão.

Evitar padrões é outra anedota, todos os licks de solos são licks porque definem 1 padrão, depois esse padrão é trabalhado através de ferramentas melodicas.
Um solo conhecido como a For the love of god(Steve Vai) é baseado num padrão de 5 notas na frase ascendente e 7 notas na frase descendente. A partir das melodias principais exploram-se vários campos e daí é desenvolvido 1 solo majestoso baseado numa coerência melódica de um padrão de 5notas.

Todos os solos neo-classicos que influenciaram o metal são baseados em padrões. Toda a musica clássica é baseada em padrões. Fazer musica verso-referão-verso-referão implica repetir partes = padrões.
Padrões é o que faz com que o ouvinte reconheça o que ouve e identifique uma musica.
Num solo tu não deves evitar, deves explorar padrões: quem te ouve tocar a mesma 'frase' duas vezes pensa, o que será que ele vai fazer agora com isto? onde será que isto vai parar? poderás trocar de padrão para ir elaborando outros, e vários ao mesmo tempo, mas 1melodia principal em cada parte é o padrão básico que dá coerência ao teu solo e a partir daí elaboras coisas interessantes.
Se fizeres o oposto e evitares padrões parece que estás a esgalhar aleatoriamente sem dizeres algo em concreto, sem teres coerência melódica.


Ora bem, o que eu disse foram dicas e como ele deve ter noção, é possível não segui-las para se fazer música. Alias, é uma das coisas mais interessantes na música, é que a evolução dela normalmente aparece através da quebra de regras e princípios convencionais. Eu assumi que ele estivesse a começar a estudar teoria à relativamente pouco tempo e eu dei aquelas dicas de modo a que ele pudesse familiarizar-se com os conceitos com o passar do tempo. Como disseste no teu post anterior, estas coisas não se aprendem de um dia para outro. E concordo contigo no facto de quando se toca, não se deve racionalizar isto e simplesmente tocar o que vai no coração.

No que toca aos padrões, eu não fui claro de facto. É claro que existem padrões em tudo o que é música, mas o que eu quis transmitir foi que se deve desenvolver esses padrões de modo a que não pareçam tão lineares, mas sim algo orgânico. O exemplo que tu deste do For The Love Of God do Steve Vai é um bom exemplo.

Avatar do Utilizador
CarlosC
Metálico(a) Compulsivo(a)
Mensagens: 313
Registado: quarta nov 19, 2008 5:56 pm
Localização: Portimão
Contacto:

Re: Teoria Musical

Mensagempor CarlosC » quarta fev 03, 2010 1:42 pm

Man eu falei um pouco na brincadeira eheh até porque sei que todos temos boas intenções ao postar aqui. Mas era fácil fazer interpretações pouco correctas do que disseste mesmo porque te resumis-te muito.

Eu lembro-me quando aprendi escalas da primeira vez e quis fazer uma musica que tivesse toda dentro de 1escala e ficou 1 porcaria xD lolololol mas eu tinha que aplicar aquilo que aprendi por casmurrice. Se tivesse ignorado a escala tinha feito 1musica noutro tom que mais tarde viria a descobrir, ou usando 1escala nova que viria a aprender. E provavelmente iria soar como imaginei na cabeça.

Agora percebo o que querias dizer nos padrões é evitar tocar 'exercícios' disfarçando-os como musica... em alguns solos é frequente isso acontecer ou mesmo algumas musicas de shred neo-classico parecem exercícios de sweepicking com a duração de 3minutos e pouco mais. Evitar soar a escala mas usar esse conteúdo para ser expressivo e musical. Essa orgânica atinge-se à medida que se adquire maturidade musical no instrumento, o que para uns é muito rápido e para outros é muito lento. Uma das pessoas com maior maturidade musical que conheço tem apenas 15 anos e só toca há 2. Outros tocam 10 anos e ficam-se por tocar exercícios.

dream_dawn
Turista
Mensagens: 9
Registado: sexta jul 16, 2010 11:31 pm

Re: Teoria Musical

Mensagempor dream_dawn » terça jul 20, 2010 6:00 pm

Surgiu-me uma dúvida, como é definida a nota de uma escala? E numa música, um solo tem que ser sempe baseado numa escala de uma unica nota ou usa-se várias escalas de varias notas?

Avatar do Utilizador
CarlosC
Metálico(a) Compulsivo(a)
Mensagens: 313
Registado: quarta nov 19, 2008 5:56 pm
Localização: Portimão
Contacto:

Re: Teoria Musical

Mensagempor CarlosC » quinta jul 22, 2010 3:35 pm

isso está muito confuso. eu não conheço escalas de 1 nota.

cada escala define uma tonalidade, um grupo de notas dentro dessa escala. isso serve como 'guia'.
essas notas agrupadas em terças formam acordes, que criam o campo harmónico com os acordes que combinam com a escala de forma básica.

quando aos solos, é ao gosto do freguês, há quem se mantenha numa escala pentatonica, há quem misture escalas pentatonicas, há quem se mantenha numa escala diatónica, há quem misture escalas diatónicas. há ainda quem use modos das escalas, escalas exoticas, modos de escalas exoticas, etc...

podes usar escalas que tenham 1, 2 ou 3 notas diferentes da escala da tonalidade original para ires buscar cromatismos frases outside ou algumas sonoridades que com as escalas básicas não consegues. isto é algo muito 'liberal' não são regras fixas.

quando a harmonia também muda de tom de forma a obrigar que se use outras escalas para solar, diz-se que ocorreu uma modulação(muito comum em fusion jazz soul shred djent progressivo etc).

Avatar do Utilizador
DiogoCFH
Metálico(a) Compulsivo(a)
Mensagens: 266
Registado: domingo jan 30, 2011 4:48 pm
Localização: Leiria

Re: Teoria Musical

Mensagempor DiogoCFH » sexta mai 06, 2011 10:43 am

olá pessoal gostava que me respondessem a uma dúvida que tenho.
gosto bastante do som produzido pela escala espanhola frigia (neste caso em Mi), mas nao tenho a certeza de como fazer o ritmo para solar com essa escala por cima, tive a ver vários exemplos como Death e Necrophagist que a usam bastante e quando estão a solar com essa escala ambas as bandas têm tendência a usar MI, Fá e Sol. para fazer o ritmo e solar com essa escala basta então fazer ritmo com notas que façam parte da espanhola frigia e depois solar com esta por cima?


Voltar para “Música & Arte”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante