Os novos surdos [artigo de opinião]

Dico
Metálico(a) Compulsivo(a)
Mensagens: 361
Registado: segunda fev 02, 2004 1:41 pm

Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Dico » quarta ago 27, 2008 10:40 am

Os novos surdos
Quem nunca sentiu um forte zumbido nos ouvidos até ao dia seguinte de uma noite passada num concerto, rave, discoteca ou afim? Quem, permanecendo nas filas cimeiras de um espectáculo ao vivo ou próximo do sistema sonoro de um espaço lúdico não sentiu um repentino bloqueio auditivo, total ou parcial, embora temporário?

Regra em eventos públicos de carácter lúdico, o recurso a escalas de intensidade sonora excessiva (igual ou superior a 120 decibéis - dB) denota a falta de bom senso que impera entre os técnicos de som, promotores, road managers, DJ’s proprietários / gestores dos espaços face aos riscos que tal opção acarreta para a saúde pública.

O dogma do “quanto mais alto melhor” revela uma total insensibilidade para com uma ampla fatia do público, cuja definição de entretenimento exclui o barulho pelo barulho (vulgo “estardalhaço” inconsequente). Mas, receando perder clientes, estas entidades nem querem ouvir falar de baixar o volume. Pergunto eu: não bastam já as permanentes agressões auditivas a que estamos diariamente sujeitos na vida quotidiana?

What did you say?
Como explica o norte-americano Don Campbell (Campbell, 2006: 58-59), músico, autor e terapeuta do som, uma conversa normal mede “cerca de 60 decibéis. O tráfego em hora de ponta mede em média 70 decibéis. Conversas aos gritos, martelos pneumáticos e motorizadas chegam aos 100 decibéis, serras eléctricas a 110 decibéis, música rock tocada alto e buzinadelas de automóvel a cerca de 115 decibéis. (…) As dores começam aos 125 decibéis. A escala de decibéis (…) é logarítmica, correspondendo cada aumento de 10 decibéis a dez vezes a intensidade do número anterior. Por exemplo, música a 110 decibéis é dez vezes mais alta que um martelo pneumático a 100 decibéis e 10 000 vezes mais alta que uma conversa normal a 60 decibéis. O rácio de intensidade entre o som mais ténue e o som mais alto que o ouvido humano consegue ouvir é de um trilião para um. Só na música, a gama de sons audíveis é de um milhão para um” *.

Conforme declarações da audiologista Catarina Korn à Agência Lusa em Junho de 2007 **, a exposição a um volume sonoro de 100 dB durante 15 minutos “ainda é aceitável, mas cada minuto a mais já tem implicações graves na audição”, lembrando que “a intensidade sonora em locais como discotecas pode atingir ou mesmo exceder os 120 dB, ultrapassando os limites considerados de risco para a audição” [NR.: acima dos 85 dB].

Rock hard, rock loud
Na esmagadora maioria dos casos, metade ou 2/3 da potência sonora debitada nos espectáculos seria suficiente para que todo o público ouvisse os instrumentos com clareza, eliminando o desconforto gerado pelos graves (não é agradável a opressão no peito e na garganta criada pela secção rítmica ao longo de várias horas) e agudos.

Não raras vezes, o volume sonoro atribuído aos grupos de abertura é o mais adequado (ou aproxima-se disso) às dimensões da sala e respectiva percentagem de ocupação, revelando-se frequentemente mais equilibrado e perceptível. Para os cabeças-de-cartaz fica reservada uma imperceptível amálgama sonora. Também a má equalização do sistema de som pode causar sérios danos – nas discotecas é frequente o reforço exagerado dos graves e a ausência de médios.

A velha máxima “we like it loud” traduz bem os fundamentos do Rock N’ Roll. De facto, cedo nos habituámos a ouvir dizer que o Rock (e especialmente o Metal) deve ser escutado bem alto para ser devidamente apreciado. Fazêmo-lo em casa, no carro, na sala de ensaios, nos locais de espectáculo. Tornou-se uma forma de vida. Prejudicial a médio/longo prazo, mas ainda assim uma forma de vida.

Masters of puppets
Os volumes sonoros exacerbados funcionam como um excitante natural, fazendo subir os níveis de adrenalina que, por sua vez, aumentam a tensão arterial, gerando stress. A euforia e consequente pulsão corporal resultantes deste processo fisiológico multiplicam-se em número de vezes igual ao dos indivíduos presentes num espectáculo, exponenciando esta relação causa / efeito. Segundo Catarina Korn, “a música alta pode ser comparada a um vício e funciona como uma droga” ***.

Ou seja, em eventos públicos, o volume excessivo de decibéis emitidos constitui uma forma simples de, em certa medida, “manipular” o comportamento da assistência (naquilo a que alguns cientistas chamam Psicologia das Multidões). Com base no processo descrito, as bandas e o staff esperam garantir uma receptividade calorosa, dominando mais facilmente o público desde a primeira nota. Além disso, o desgaste físico resultante desse estado geral de euforia (que as drogas e o álcool exacerbam) impele a assistência a consumir mais alimentos e bebidas, aumentando as receitas do espaço.

Hell’s bells
A parede sonora a que o público está sujeito nestes eventos é passível de gerar lesões auditivas temporárias ou permanentes. A mais frequente designa-se acufenos (também designados acufénios ou tinnitus) e traduz-se na escuta sistemática ou intermitente de “campainhas”, zumbidos ou silvos nos ouvidos, com variáveis graus de intensidade, apesar da ausência de ruído exterior. Esta condição está quase sempre associada à perda auditiva resultante da exposição prolongada a níveis de ruído muito elevados (as indústrias fabril, mecânica, da construção e outras apresentam elevadas percentagens de operários afectados pela doença) ou ao desenvolvimento de presbiacusia (perda gradual de audição devido à idade), havendo no entanto outras possíveis causas.

Os acufenos são irreversíveis e incómodos, especialmente em ambientes sossegados, onde os zumbidos assumem preponderância, tornando-se mais ou menos difíceis de suportar, conforme a gravidade da doença. Padeço destes sintomas há dois anos, resultantes da utilização regular de headphones (abordarei a questão da perda auditiva induzida por aparelhos de música portáteis na terceira parte deste artigo). Felizmente, o meu caso não é grave. Por enquanto, pelo menos (durante seis meses tomei medicação e as melhoras foram notórias, mas após o fim do tratamento regressei à estaca zero). Adaptei-me a esta condição, mas “a tolerância aos acufenos varia consideravelmente de pessoa para pessoa e é largamente determinada pela personalidade do doente” **** tendo já sido registados, inclusive, suicídios decorrentes da intolerância aos zumbidos permanentes, em especial quando assumem grande intensidade.

Vazio legal penaliza o consumidor
Em Portugal não há legislação que estipule um número máximo permitido de decibéis a emitir em espectáculos ou eventos afins visando estritamente a protecção auditiva do público, músicos, staff e trabalhadores dos recintos. As características técnicas dos leitores de música portáteis também não estão regulamentadas neste âmbito. A Regulamentação Geral do Ruído (RGR) – habitualmente conhecida por Lei do Ruído - limita-se a determinar os limites, as zonas e situações em que o barulho é ou não autorizado, bem como as respectivas sanções para os infractores.

Ou seja, a RGR apenas é aplicável “às actividades ruidosas permanentes ou temporárias, bem como ao ruído de vizinhança e outras fontes de ruído susceptíveis de criar incomodidade (…)”.**** O consumidor fica, pois, à mercê das consequências de eventuais perdas auditivas induzidas pelo ruído intenso em eventos públicos, bem como da utilização de aparelhos de MP3 ou análogos.

Através de contacto telefónico, a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) informou-me que, para fazer valer os seus direitos, o doente terá que abrir um processo judicial, provando os danos auditivos através de exames e relatórios médicos. Só então poderá requerer uma indemnização à entidade em causa.

Já em 2006 a Secretaria de Estado do Comércio, sob a tutela do Ministério da Economia, recusara explicar ao “Diário de Notícias” a eventual existência de planos para legislar, a curto ou longo prazo, nesta matéria ******. Hoje, tudo continua em aberto, mas é urgente inverter a situação, estabelecendo-se um nível sonoro máximo proporcional às dimensões de cada sala, à respectiva taxa de ocupação em cada evento e à tecnologia acústica disponível.

Na ausência de vontade política para legislar nesta matéria, terá que ser o consumidor a bater-se pelos direitos que lhe assistem, promovendo tertúlias com especialistas e petições visando o debate sobre o tema na Assembleia da República. Uma vez alcançado este objectivo, cabe ao Governo, através do Ministério da Saúde, em parceria com a SPARL (Sociedade Portuguesa de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial) e demais entidades públicas ou privadas desenvolver atempadamente acções pedagógico-informativas de sensibilização junto dos profissionais da indústria, dos adolescentes e pais / encarregados de educação, das escolas, discotecas, salas de espectáculos, etc. No fundo, é toda uma nova mentalidade que se impõe. E urgentemente.

Songs for the deaf
A insensatez impera na indústria mas estende-se ao próprio consumidor, especialmente às camadas jovens, que desvalorizam os riscos da exposição ao ruído excessivo. Embora não existam estudos oficiais sobre a percentagem da população nacional com perda de audição ou outros problemas auditivos, estima-se que um milhão de pessoas (10% da população) esteja afectada. É certo que a maioria são idosos, mas segundo o otorrinolaringologista António Nobre Leitão, em entrevista à Agência Lusa em Junho de 2007, “ultimamente tem-se verificado (…) nos jovens e jovens adultos portugueses, um forte amento de traumatismos sonoros, ou seja, uma lesão do ouvido interno provocada pela exposição prolongada a níveis elevados de sons [acima de 85 decibéis (…)] que é irreversível e pode levar à surdez” ******.

Segundo especialistas alemães, um quarto dos jovens germânicos apresenta danos auditivos gerados por dispositivos de música portátil e exposição prolongada a volumes sonoros extremos, calculando-se que 33% terá que usar aparelhos auxiliares da audição aos 50 anos, na melhor das hipóteses. Nos Estados Unidos 50% dos estudantes universitários apresenta sintomas de perda auditiva, estando os acufenos e a necessidade de aumentar o volume da TV ou do rádio entre os principais.

Num inquérito recente elaborado pela Harvard School of Public Health no site da MTV sobre a atitude dos adolescentes face a diversas questões de saúde, apenas oito por cento dos cerca de 10 mil respondentes (na maioria com idades inferiores a 21 anos e frequentadores habituais de espectáculos ao vivo e discotecas) afirmou considerar a perda auditiva “um grande problema”. Dois terços dos inquiridos afirmaram sofrer ou já terem sofrido de perda auditiva e / ou acufenos. Segundo o Observer Music, 42% dos fãs britânicos de música não vêem a perda auditiva como algo preocupante, sendo que apenas quatro por cento usa tampões nos espectáculos ao vivo.

Prevenir para não remediar
No entanto, a utilização de tampões auriculares descartáveis é uma forma simples e barata de o consumidor se proteger do ruído excessivo. Em qualquer farmácia é possível adquirir vários modelos a preços acessíveis (em média, entre os três e os cinco euros), mas os melhores são feitos de um material esponjoso, fácil de aplicar e anatomicamente adaptável ao ouvido, reduzindo de forma considerável o volume sonoro (em média entre 25 dB e 32 dB, conforme os modelos), ao mesmo tempo que permite aos fãs ouvir a música perfeitamente, abandonando o local do espectáculo isentos de sintomas auriculares. Usei estes tampões pela primeira vez no concerto de Joe Satriani no Coliseu de Lisboa, em Abril, e não mais deixei de os usar em espectáculos. No entanto, existem modelos ainda mais sofisticados e eficazes, embora mais dispendiosos, como os disponíveis em http://www.etymotic.com/.

A distribuição, paga ou gratuita, de tampões auriculares nos recintos de concertos seria muito bem-vinda. Aliás, algumas salas dos estados Unidos (poucas) já o fazem. Na Europa, a partir de Fevereiro de 2005, a Norwegian Rock 'n' roll Federation propôs-se distribuir gratuitamente, com apoio governamental, 100 mil tampões em locais de espectáculos, numa acção designada “Rock Against Ringing” (Rock contra as “campainhas” nos ouvidos), sensibilizando os fãs para os perigos que correm se expostos demasiado tempo a descargas sonoras exageradas.

Também os norte-americanos Mötley Crüe já desenvolveram acções similares, permitindo a venda de tampões nos seus espectáculos. Aliás, a visibilidade pública dos músicos coloca-os num patamar privilegiado de sensibilização dos fãs quanto à prevenção. Porém, devido à natureza da profissão, os executantes, bem como produtores, engenheiros de som, etc., são igualmente vítimas frequentes de sérios problemas auditivos. Com efeito, a surdez entre os profissionais da música é um dos segredos e tabus melhor preservados da indústria. Dele falarei em “A surdez como forma de sobrevivência”, o segundo artigo desta série, a publicar brevemente.
Dico

* Campbell, D. (2006). O Efeito Mozart. Cruz Quebrada. Estrela Polar.
** Reproduzido em http://www.forumenfermagem.org/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=2881
***Idem
****(1992). Enciclopédia de Medicina, Volume A-H. pp. 72. Lisboa. Selecções do Reader’s Digest
***** http://www.odivelas.com/docs/O_NOVO_REG ... _RUIDO.pdf
****** “Diário de Notícias”, 22/03/06
****** Reproduzido em http://www.forumenfermagem.org/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=2881

Outras fontes:
Harvard School of Public Health
http://www.hsph.harvard.edu/

Observer Music Monthly
http://www.guardian.co.uk/theobserver/musicmonthly

“Why does sound engineering have to be so loud?”
http://www.record-producer.com/learn.cfm?a=4280

“Music Making fans deaf?”
http://www.rollingstone.com/news/story/8841090/music_making_fans_deaf

- - - - - - - - - -« » - - - - - - - - - -

10 conselhos práticos

1 -Nunca se posicione nas primeiras filas de um espectáculo ao vivo ou perto do sistema de som de um espaço lúdico

2 - Antes de o evento começar, na altura em que a música ambiente se faz ouvir, procure a zona do espaço em que se sente mais confortável, acusticamente falando

3 - Use sempre tampões auriculares nos espectáculos, discotecas ou eventos afins. Se usamos preservativos para não contrair doenças sexualmente transmissíveis e protector solar e óculos escuros contra os perigos do sol, porque não usar tampões a fim de proteger os ouvidos das agressões sonoras extremas?

4 - A forma de utilização dos tampões é simples: basta apertá-los, um de cada vez, entre os dedos polegar e indicador em movimentos circulares até que o seu diâmetro fique consideravelmente reduzido. Depois, insira-o no pavilhão auricular, aguardando que se expanda progressivamente, eliminando o ruído em excesso. Repita a operação no outro ouvido

5 -Insira os tampões 10 a 15 minutos antes de o espectáculo começar. Dessa forma haverá tempo suficiente para os testar (é normal ter que os colocar e retirar algumas vezes nas primeiras utilizações até encontrar o jeito) e para deixar que os tampões se expandam, adaptando-se anatomicamente ao ouvido. Além disso, o utilizador terá tempo de se habituar a um corpo estranho no ouvido e à nova percepção sonora

6 - Mantenha os tampões colocados ao longo de todo o espectáculo, retirando-os apenas ao abandonar o recinto. Então, deite-os fora (os tampões clássicos não devem se reutilizados)

7 - Oiça música a um nível médio. Dessa forma a sua escuta é igualmente aprazível e não representa perigo

8 - Se sentir zumbidos nos ouvidos, perda auditiva ou outros sintomas consulte um médico especialista.

9 – O ouvido humano requer um descanso de 18 horas após exposição prolongada a intensos volumes sonoros. Antes disso, é desaconselhada a escuta de sons a níveis elevados

10 – Deixe de fumar. O tabagismo duplica o risco de perda auditiva induzida pelo ruído. Após exposição a intensos volumes sonoros, as células nervosas do ouvido interno requerem uma boa circulação sanguínea. Fumar é uma das actividades que restringe a função cardiovascular, limitando o fluxo sanguíneo. Dico
Dico

Avatar do Utilizador
Venøm
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 4097
Registado: quinta jan 03, 2008 10:50 am
Localização: Setúbal

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Venøm » quarta ago 27, 2008 11:21 am

Não fumem, e usem tampões...

p41nk1ll3r
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 1680
Registado: quinta mai 03, 2007 10:33 pm

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor p41nk1ll3r » quarta ago 27, 2008 12:32 pm

só me falta usar tampões hei-de experimentar.

Avatar do Utilizador
INDULGENCE
Metálico(a) Compulsivo(a)
Mensagens: 368
Registado: terça jul 08, 2008 12:32 pm
Localização: MONTIJO
Contacto:

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor INDULGENCE » quarta ago 27, 2008 12:40 pm

tenho é de arranjar uns tampoes de esponja...

Vooder [RIP 2011/01/03]

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Vooder [RIP 2011/01/03] » quarta ago 27, 2008 1:14 pm

Ouvir música alta é como um vício sim senhor!
No meu caso estou a deixar isso, também por força das circunstâncias.
Que tenha consciência a minha audição mantém-se ok.

Só uma pergunta?
«1 -Nunca se posicione nas primeiras filas de um espectáculo ao vivo ou perto do sistema de som de um espaço lúdico»
Se toda a gente seguir esta regra, o que acontece? As primeiras filas deixam de existir? As segundas filas transformam-se em primeiras e por isso também não ponde estar ninguém nas segundas ? :? :o

Avatar do Utilizador
Venøm
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 4097
Registado: quinta jan 03, 2008 10:50 am
Localização: Setúbal

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Venøm » quarta ago 27, 2008 1:22 pm

Atenção que não é dos tampões que as meninas usam :awesome:

Avatar do Utilizador
OrDoS
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 5656
Registado: domingo abr 04, 2004 12:23 pm
Localização: Vieira do Minho / Braga

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor OrDoS » quarta ago 27, 2008 1:50 pm

Eu comprei uns recentemente para experimentar, decidi fazê-lo depois do concerto de Mnemic no Porto, onde o som estava extraordinariamente altíssimo.

Vão à farmácia e peçam auriculares para protecção dos ouvidos, como os que os trabalhadores de construcção civil usam, de preferência uns reutilizáveis :)
From word to a word I was led to a word...
ImagemImagem 20ª Edição - X11

Avatar do Utilizador
Venøm
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 4097
Registado: quinta jan 03, 2008 10:50 am
Localização: Setúbal

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Venøm » quarta ago 27, 2008 2:34 pm

OrDoS Escreveu:Eu comprei uns recentemente para experimentar, decidi fazê-lo depois do concerto de Mnemic no Porto, onde o som estava extraordinariamente altíssimo.

Vão à farmácia e peçam auriculares para protecção dos ouvidos, como os que os trabalhadores de construcção civil usam, de preferência uns reutilizáveis :)


Quem sabe, qualquer dia trazem martelos pneumáticos para o palco :mrgreen:

Avatar do Utilizador
UnderØath
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 3285
Registado: sábado mar 17, 2007 2:43 pm
Localização: na roloute do ralis

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor UnderØath » quarta ago 27, 2008 2:38 pm

oh dico, sinceramente e com todo o respeito pela tua prosa, quero e que isso tudo se lixe!

ir a um gig e nao chegar a casa com o zumbido nos ouvidos só significa 1 coisa, que o gig foi 1 merda e nem me deu pica para ir la para a frente curtir!
xS3x - We Never Forget, We Never Forgive!
When two opposite points of view are expressed with equal intensity, the truth does not necessarily lie exactly halfway between them. It is possible for one side to be simply wrong.
Bota Géu

Avatar do Utilizador
OrDoS
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 5656
Registado: domingo abr 04, 2004 12:23 pm
Localização: Vieira do Minho / Braga

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor OrDoS » quarta ago 27, 2008 3:02 pm

UnderØath Escreveu:oh dico, sinceramente e com todo o respeito pela tua prosa, quero e que isso tudo se lixe!

ir a um gig e nao chegar a casa com o zumbido nos ouvidos só significa 1 coisa, que o gig foi 1 merda e nem me deu pica para ir la para a frente curtir!


Que exagero... para mim o zumbido é sinal que o som estava realmente alto de mais, não precisas de ter um som excessivamente alto para teres um bom concerto... e quem diz excessivo diz quase ensurdecerdor.
From word to a word I was led to a word...
ImagemImagem 20ª Edição - X11

Karamazov [RIP 2012/07/27]

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Karamazov [RIP 2012/07/27] » quarta ago 27, 2008 3:13 pm

UnderØath Escreveu:oh dico, sinceramente e com todo o respeito pela tua prosa, quero e que isso tudo se lixe!

ir a um gig e nao chegar a casa com o zumbido nos ouvidos só significa 1 coisa, que o gig foi 1 merda e nem me deu pica para ir la para a frente curtir!

Touché! :beer:

Avatar do Utilizador
Venøm
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 4097
Registado: quinta jan 03, 2008 10:50 am
Localização: Setúbal

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Venøm » quarta ago 27, 2008 3:14 pm

UnderØath Escreveu:oh dico, sinceramente e com todo o respeito pela tua prosa, quero e que isso tudo se lixe!

ir a um gig e nao chegar a casa com o zumbido nos ouvidos só significa 1 coisa, que o gig foi 1 merda e nem me deu pica para ir la para a frente curtir!


Quando fores velho e já não puderes ir a concertos porque o reumático não aguenta ou porque o coração não aguenta, aposto que vais adorar que as pessoas falem para ti em FULL CAPS LOCK! ESTÁ A OUVIR?! e tu *peeeeeeeee* HÃem!?"

Avatar do Utilizador
otnemeM
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 6561
Registado: terça mai 18, 2004 2:02 pm
Localização: Ovar.
Contacto:

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor otnemeM » quarta ago 27, 2008 3:18 pm

Só não uso os meus tampões laranja se me esquecer. Tenho uma certa preferência por chegar a velho sem ter de usar um funil na orelha. Se chegar a velho, claro.

Avatar do Utilizador
UnderØath
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 3285
Registado: sábado mar 17, 2007 2:43 pm
Localização: na roloute do ralis

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor UnderØath » quarta ago 27, 2008 3:20 pm

Venøm Escreveu:
UnderØath Escreveu:oh dico, sinceramente e com todo o respeito pela tua prosa, quero e que isso tudo se lixe!

ir a um gig e nao chegar a casa com o zumbido nos ouvidos só significa 1 coisa, que o gig foi 1 merda e nem me deu pica para ir la para a frente curtir!


Quando fores velho e já não puderes ir a concertos porque o reumático não aguenta ou porque o coração não aguenta, aposto que vais adorar que as pessoas falem para ti em FULL CAPS LOCK! ESTÁ A OUVIR?! e tu *peeeeeeeee* HÃem!?"


nessa altura, vou pensar assim "ksafoda" , pelo menos nao fiquei em casa com decibelofobia aguda.
Isso dava outra discussão , ali mais no topico do arriscar. Não sou um "ganda maluco" e até me considero bastante moderado, mas dai a sucumbir a todas estas novas "preocupações" que vão surgindo vai uma grande distancia. Talvez seja a minha veia oldschool ou a minha veia de parvo, nao sei...o que sei é que enquanto sou novo vou continuar a fazer tudo o que me dá prazer, depois qdo for velho logo me preocupo...

oh Ordos, se tiveres encostado as colunas, mesmo que o som nao esteja alto, duvido que saias de la sem o zumbido nos ouvidos.

até percebo que quem trabalhe no meio, se deva precaver, mas para um simples fã que vai a um concerto por semana ( exemplo) será mesmo necessario tanto cuidado?
Última edição por UnderØath em quarta ago 27, 2008 3:25 pm, editado 1 vez no total.
xS3x - We Never Forget, We Never Forgive!
When two opposite points of view are expressed with equal intensity, the truth does not necessarily lie exactly halfway between them. It is possible for one side to be simply wrong.
Bota Géu

Avatar do Utilizador
Surtr
Ultra-Metálico(a)
Mensagens: 1180
Registado: quinta jan 18, 2007 8:30 pm
Localização: Braga

Re: Os novos surdos [artigo de opinião]

Mensagempor Surtr » quarta ago 27, 2008 3:22 pm

Há uns em silicone que dizem ser muito bons, hei-de experimentar...


Voltar para “Arquivo 2014 a 2015”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante